fbpx

SELO ENERGIA VERDE

Programa de Certificação da Bioeletricidade, primeiro no Brasil focado estritamente na energia elétrica produzida a partir da biomassa de cana, tem como missão incentivar e ampliar a participação da bioeletricidade na matriz energética brasileira.

Criado em 2015, o Programa de Certificação da Bioeletricidade foi idealizado pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), em parceria com a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e conta com o apoio da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (ABRACEEL).

O Selo Energia Verde pode ser solicitado e concedido a comercializadoras em qualquer estado da federação que adquiram energia renovável de unidades produtoras com certificado de bioeletricidade, e atendam aos critérios estabelecidos nas Diretrizes Gerais do Programa.

Objetivos

Oferecer ao mercado livre a possibilidade de mostrar preocupação com o consumo de energia elétrica renovável;

Estimular a expansão da bioeletricidade e do próprio mercado livre.

O CERTIFICADO

Certificado Energia Verde é concedido a usinas produtoras de bioeletricidade sucroenergética, que geram energia elétrica utilizando combustíveis renováveis derivados da produção de açúcar e etanol, além de cumprir requisitos de eficiência energética.

O SELO

Já o Selo Energia Verde é concedido, sem custo, para consumidores e comercializadoras de energia no mercado livre.

Confira lista completa aqui.

Em 2018, a energia elétrica gerada por meio do bagaço e da palha da cana de açúcar para a rede foi de 21,5 TWh, respondendo por 5% do consumo nacional de energia elétrica (equivalente ao consumo de mais de

11mi

de residências).

Ainda assim, o potencial técnico da bioeletricidade sucroenergética para a rede é aproveitado em somente 15% de seu total. Ou seja, em 2018 a geração de bioeletricidade poderia ter sido quase sete vezes a geração efetiva de 21,5TWh.

Estimativas mostram que, sem a bioeletricidade da cana ofertada para a rede, o nível de emissões de CO2 na atmosfera seria

13%

maior na matriz elétrica brasileira em 2018.