fbpx

30 usinas de bioeletricidade já receberam Selo Energia Verde

4 de março de 2015

Um total de 30 usinas sucroenergéticas que produzem energia elétrica (bioeletricidade) para consumo próprio e para o Sistema Elétrico Nacional (SIN) já possui o Selo Energia Verde.  Lançado em 26 de janeiro deste ano pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), em cooperação com a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), a certificação é a primeira no Brasil focada estritamente na energia produzida a partir da cana-de-açúcar.

De acordo com as diretrizes do programa, tanto usinas produtoras de bioeletricidade para a rede como aquelas que produzem apenas para o autoconsumo podem obter o Selo Energia Verde. Para tanto, a usina produtora de bioeletricidade deve ser associada à UNICA, e participante do Protocolo Agroambiental do Estado de São Paulo (ou declarar atender aos critérios semelhantes ao Protocolo, isso se a indústria se localizar em outro estado).

Caso a unidade produtora de bioeletricidade seja exportadora de energia para a rede, adicionalmente deverá estar adimplente junto à CCEE e promover geração de bioeletricidade conforme os critérios determinados de eficiência energética.

Os consumidores no mercado livre que adquirirem a energia da usina certificada poderão também, dentro das diretrizes do programa, requerer o Selo Energia Verde relacionado à energia obtida. A certificação é fornecida pela UNICA sem custo financeiro tanto para os consumidores no mercado livre quanto para os produtores de bioeletricidade.

Energia “certificada” é equivalente a atender 2,5 milhões de consumidores residenciais

O total de energia que será fornecida em 2015 para o SIN pelas 30 usinas detentoras do Selo Energia Verde é equivalente a abastecer 2,5 milhões de residências pelo ano inteiro, ou o mesmo que evitar a emissão de 2.419.180 toneladas de CO2. Para atingir a mesma economia de CO2, por meio do plantio de árvores nativas, ao longo de 20 anos, seria preciso plantar 17 milhões de árvores nativas.

Para o gerente em bioeletricidade da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Zilmar de Souza, outro aspecto importante é que a energia dessas usinas detentoras do Selo Energia Verde significará poupar, ao longo de 2015, o valor de 3% da água dos reservatórios do submercado elétrico Sudeste/Centro-Oeste, responsável por 60% do consumo brasileiro.

“O consumidor no mercado livre, preocupado com o consumo responsável, ao adquirir bioeletricidade de uma unidade produtora participante do Programa de Certificação, ajuda a manter a nossa matriz energética sustentável e contribui para o desenvolvimento dessa importante fonte renovável que é a bioeletricidade”, conclui Souza.

Clique aqui e acesse a lista das unidades produtoras e consumidores livres/especiais participantes do Programa de Certificação da Bioeletricidade UNICA/CCEE.