fbpx

Centro-Sul: Chuvas no final de setembro e início de outubro

4 de outubro de 2010

O volume de cana-de-açúcar processado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul do Brasil na primeira quinzena de setembro atingiu 37,05 milhões de toneladas, queda de 11,93% em relação aos 42,07 milhões de toneladas registradas na quinzena anterior. Este recuo sinaliza uma retração no volume diário processado pelas usinas: 2,47 milhões de toneladas nos primeiros 15 dias de setembro, ante 2,63 milhões de toneladas na última quinzena de agosto.

A retração se justifica principalmente pelas chuvas que, ainda que de maneira tímida e heterogênea, retornaram ao Centro-Sul na primeira quinzena de setembro. No acumulado desde o início da safra atual, a moagem de cana-de-açúcar totalizou 417,20 milhões de toneladas, crescimento de 19,53% em relação ao mesmo período da safra anterior.

Apesar da volta das chuvas em setembro, a tendência de queda na produtividade da colheita na região Centro-Sul ainda permanece. Dados apurados pelo Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) indicam uma quebra agrícola de 11,1% na primeira quinzena de setembro comparando-se com o mesmo período de 2009. No acumulado desde o início da safra, a quebra atinge 3,6%.

De acordo com o Diretor Técnico da União da Indústria de Cana-de-açúcar (UNICA), Antonio de Padua Rodrigues, “a chuva observada em algumas regiões produtoras no mês de setembro não deverá interromper a queda na produtividade da cana no curto prazo, pois se trata de um fenômeno em que o efeito não é instantâneo”. Em contrapartida, as chuvas observadas no último mês devem aumentar o número de dias de moagem perdidos pelas unidades produtoras e reduzir a quantidade de açúcares na cana, acrescentou o executivo.

As previsões apontam para a permanência de chuvas na região Centro-Sul do País até o início de outubro, quando o clima seco retorna com precipitações abaixo da normalidade climatológica para a maior parte da região produtora. Caso essas previsões venham a ser confirmadas, o cenário de produção e moagem permanecerá inalterado, concluiu Rodrigues.

Qualidade da matéria-prima

A concentração de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de matéria-prima atingiu 140,31 kg de ATR no acumulado desde o início desta safra, cifra 6,41% superior à observada no mesmo período da safra 2009/2010 (131,86 kg de ATR). Na primeira quinzena de setembro, a quantidade de ATR somou 161,40 kg por tonelada de cana-de-açúcar, 15,49% superior aos 139,75 kg obtidos no mesmo período da safra anterior.

Mix e produção de açúcar e etanol

Da quantidade total de matéria-prima processada na primeira quinzena de setembro, 46,51% destinou-se à produção de açúcar e 53,49% ao etanol. No acumulado desde abril, a proporção de cana direcionada à fabricação de açúcar alcançou 45,05%, mantendo o mix mais alcooleiro, porém ligeiramente mais açucareiro se comparado com a safra anterior.

Diante desse cenário, nos primeiros 15 dias de setembro a produção de açúcar somou 2,65 milhões de toneladas, crescimento de 48,35% em relação a 2009. A produção de etanol, por sua vez, cresceu 39,48% no período, alcançando 1,87 bilhão de litros.

No acumulado desde o início da atual safra, a produção de açúcar totalizou 25,13 milhões de toneladas. Já a produção acumulada de etanol atingiu 18,80 bilhões de litros, dos quais 13,82 bilhões de litros correspondem ao etanol hidratado e 4,98 bilhões de litros ao etanol anidro.

Vendas de etanol

As vendas de etanol pelas unidades produtoras da região Centro-Sul do Brasil somaram 1,13 bilhões de litros na primeira quinzena de setembro, queda de 10,62% comparativamente à quinzena passada. Do volume total comercializado, 296,47 milhões de litros referem-se ao etanol anidro e 836,28 milhões de litros ao etanol hidratado.

As vendas ao mercado externo totalizaram 81,85 milhões de litros na primeira quinzena de setembro, 48,63% inferior ao mesmo período de 2009. No acumulado da safra, esta queda atinge 44,90%. Em sentido contrário, o volume de etanol comercializado no mercado doméstico desde abril de 2010 até 15 de setembro supera aquele observado na safra anterior em 0,64%.

As vendas de etanol anidro para o mercado doméstico alcançaram 281,24 milhões de litros na primeira quinzena de setembro, montante 18,05% maior aquele verificado no mesmo período do ano passado. Já o volume de etanol hidratado comercializado no mercado interno nesse mesmo período totalizou 769,66 milhões de litros.

No acumulado desde o início da safra 2010/2011, as vendas internas de etanol anidro atingiram 3,00 bilhões de litros e as de hidratado 8,02 bilhões.

Exportações de açúcar

Segundo estatísticas da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), as exportações de açúcar pelo Brasil atingiram um novo recorde histórico em setembro: 3,35 milhões de toneladas embarcadas, alta de 3,84% em relação ao recorde anterior registrado em agosto. No acumulado da safra 2010/2011, as exportações somam 15,46 milhões de toneladas, ante 12,67 milhões comercializadas no mesmo período de 2009.

Em valores, o desempenho do açúcar brasileiro também foi muito expressivo, com US$ 1,46 bilhão em divisas geradas para o País em setembro. Diante deste resultado, no comparativo setorial, os açúcares tipo refinado e bruto lideraram, respectivamente, os rankings dos principais produtos nacionais exportados pelos segmentos de bens manufaturados e semimanufaturados. De abril até setembro, a geração de divisas já atinge US$ 6,80 bilhões, superior em 63,64% ao resultado do mesmo período em 2009.

Os principais destinos das exportações de açúcar bruto, que responderam por 71,05% do volume embarcado em setembro, foram Irã, Argélia e China. Por sua vez, Emirados Árabes, Paquistão e Iêmen figuram como os principais importadores do açúcar tipo refinado.

Para acessar os dados da safra, clique aqui.

SOBRE OS DADOS DA SAFRA

Os dados divulgados nesta atualização de safra são compilados e analisados pela UNICA, com números fornecidos pelos seguintes sindicatos e associações de produtores da Região Centro-Sul:

ALCOPAR – Associação dos Produtores de Bioenergia no Estado do Paraná
BIOSUL – Associação dos Produtores de Bioenergia do Mato Grosso do Sul
SIAMIG – Sindicato da Ind. de Fabricação do Etanol no Estado de Minas Gerais
SIFAEG – Sindicato da Indústria dos Fabricantes de Etanol do Estado de Goiás
SINDAAF – Sindicato Fluminense dos Produtores de Açúcar e Etanol
SINDALCOOL – Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras de Mato Grosso
SUDES – Sociedade das Usinas e Destilarias do Espírito Santo