fbpx

Empresários, trabalhadores e governo buscam aperfeiçoar o trabalho no setor

0
3 de julho de 2008


As bases de um entendimento que leve ao aperfeiçoamento das condições de trabalho no corte manual da cana-de-açúcar foram debatidas durante o primeiro encontro de um novo grupo de trabalho, lançado em Brasília nesta quarta-feira (02/07/2008) no Palácio do Planalto, em reunião coordenada pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Luiz Dulci. Criada por determinação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Mesa de Diálogo conta com representantes dos empresários, dos trabalhadores e de cinco ministérios que compõem um grupo de trabalho governamental que vinha realizando reuniões preparatórias desde o final de 2007.


No encontro inaugural, todos se mostraram favoráveis a um esforço conjunto que leve à valorização e disseminação das melhores práticas empresariais e à busca por políticas públicas que contribuam para o avanço do setor. Os participantes também concordaram que o Fórum Nacional Sucroalcooleiro deve participar das discussões já a partir do próximo encontro. Ficou estabelecido que as reuniões serão quinzenais e resultados devem ser apresentados até novembro deste ano.


Os trabalhadores foram representados no encontro por lideranças da Federação dos Empregados Rurais Assalariados do Estado de São Paulo (FERAESP), e da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag). Pelo governo participaram representantes da Casa Civil e dos ministérios do Trabalho e Emprego, Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Desenvolvimento Agrário. Pelos empresários, participaram o presidente da UNICA, Marcos Jank, e a assessora para assuntos sindicais da entidade, Elimara Assad Sallum.
 
Para a assessora sindical da UNICA, o grupo representa uma excelente oportunidade para se chegar a bons resultados: “com todos os interessados em volta da mesma mesa, demonstrando vontade e empenho na busca de aperfeiçoamento das condições de trabalho no corte da cana-de-açúcar, cresce a possibilidade de consolidarmos as boas práticas vigentes e aumentam as perspectivas de chegarmos a algo positivo e construtivo,” comentou Elimara.