fbpx

Empresas priorizam produção de etanol no início da safra de cana

12 de maio de 2011

A quantidade de cana-de-açúcar processada pelas unidades produtoras da região Centro-Sul do Brasil até o final de abril atingiu 23,69 milhões de toneladas. Desse volume, 64,62% destinou-se à fabricação de etanol, percentual superior aos 59,18% observados no mesmo período da safra anterior.

Com isso, desde o início das atividades na atual safra, a produção de etanol totalizou 894,84 milhões de litros, sendo 329,37 milhões de litros de etanol anidro e 565,48 milhões de hidratado. Já a produção acumulada de açúcar ficou em 794,96 mil toneladas, queda de 68,89% em relação ao mesmo período da safra anterior, quando foram produzidos 2,55 milhões de toneladas.

Para o diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Antonio de Padua Rodrigues, “a priorização do etanol neste início de safra é um reflexo claro do comprometimento do setor sucroenergético para o restabelecimento da normalidade no mercado de etanol combustível.” A maior parte das unidades produtoras operou próximo da capacidade de produção de etanol e o volume de açúcar produzido foi para atender a demanda de mercado interno e contratos com entrega física neste início de safra, diz Rodrigues.

Unidades em operação

O número de unidades produtoras tem aumentado rapidamente, e a produção deve manter um ritmo acelerado de crescimento nas próximas semanas. De acordo com levantamentos periódicos realizados pela UNICA, no início de abril 50 empresas estavam em operação. Esta semana, contudo, esse total já era de 256 unidades em plena atividade.

Segundo o executivo da UNICA, apesar das condições operacionais adversas e da baixa concentração de sacarose da matéria-prima, muitas empresas se esforçaram para iniciar a safra mais cedo. “Teoricamente, os preços praticados ao longo de abril seriam um incentivo para ampliar a produção de etanol. Porém, a baixa concentração de sacarose e da produtividade agrícola, bem inferiores aos índices do mesmo período na safra anterior, não geraram ganhos expressivos nesse período,” explica Rodrigues.

Mesmo com a antecipação da safra, não é possível comparar a produção deste ano com a observada no mesmo período do ano passado. A safra passada foi atípica, pois o grande volume de cana que não pode ser colhida em 2009 obrigou as unidades a operarem também em janeiro, fevereiro e março de 2010, meses tipicamente de entressafra e paralisação de atividades nas usinas.

Qualidade da matéria-prima

A quantidade de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de cana atingiu 101,70 kg na segunda quinzena de abril, queda de 15,43% comparado com igual período de 2010. No acumulado desde o início da safra, a quantidade de ATR por tonelada de matéria-prima foi de 99,56 kg, redução de 11,28% em relação ao mesmo período de 2010.

Para o diretor da UNICA, “caso a menor concentração de sacarose verificada neste início de moagem permaneça nos demais meses de safra, poderemos observar algum impacto negativo sobre a produção de açúcar esperada para este ano.”

Vendas e mercado de etanol

As vendas de etanol pelas unidades produtoras da região Centro-Sul somaram 1,12 bilhão de litros em abril, dos quais 592,79 milhões de litros de etanol anidro e 528,04 milhões de litros de etanol hidratado. Deste volume total, 1,10 bilhão de litros foram para o mercado doméstico, e somente 16,50 milhões de litros foram exportados. Ainda, naquele mês, a importação de etanol pela região Centro-Sul atingiu 113 milhões de litros. Estima-se  que em maio aproximadamente 22 milhões de litros devam ser importados.

No mercado interno, houve uma significativa retração nas vendas de etanol hidratado. Em abril, o total alcançou 512,33 milhões de litros, 37,32% inferior ao mês anterior e 61,49% menor que o volume observado no mesmo mês de 2010. Já as vendas de etanol anidro ao mercado doméstico totalizaram 591,99 milhões de litros, crescimento de 40,05% em relação ao mesmo período do ano passado.

Para o diretor da UNICA, “com a chegada da safra houve uma queda significativa no preço do etanol recebido pelo produtor; o preço do hidratado, por exemplo, recuou quase 40% nas últimas sete semanas.” Ainda de acordo com o executivo, no mesmo período a queda no preço de bomba do hidratado em São Paulo foi de apenas 4%. Isto significa que o recuo de preços já observado no nível do produtor deve ser repassado gradativamente para os valores pagos pelo consumidor.

Para acessar os dados da safra, clique aqui.

SOBRE OS DADOS DA SAFRA

Os dados divulgados nesta atualização de safra são compilados e analisados pela UNICA, com números fornecidos pelos seguintes sindicatos e associações de produtores da Região Centro-Sul:

ALCOPAR – Associação dos Produtores de Bioenergia no Estado do Paraná
BIOSUL – Associação dos Produtores de Bioenergia do Mato Grosso do Sul
SIAMIG – Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais
SIFAEG – Sindicato da Indústria de Fabricação de Etanol do Estado de Goiás
SINDAAF – Sindicato Fluminense dos Produtores de Açúcar e Etanol
SINDALCOOL – Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras de Mato Grosso
SUDES – Sociedade das Usinas e Destilarias do Espírito Santo