fbpx

O Ministério de Minas e Energia (MME) estabeleceu para este ano 14,5 milhões de Créditos de Descarbonização (CBios) como meta compulsória do RenovaBio. O volume é 50% menor em relação à proposta inicial, revisada em razão dos impactos da pandemia do novo coronavírus no mercado de combustíveis. A resolução com as novas metas foi publicada na edição desta quinta-feira (10) do Diário Oficial da União.

Para o diretor técnico da UNICA, Antonio de Padua Rodrigues, os novos valores estão dentro da expectativa do setor, já que o  governo manteve os números da consulta pública sobre as novas metas. Segundo o diretor, os anos de 2020 e 2021 trarão bastante aprendizado tanto para vendedores quanto compradores de CBios.

“Agora precisamos fortalecer o processo de comercialização. Já temos mais de oito milhões de CBios disponíveis para venda e a maioria das distribuidoras de combustíveis ainda não compareceram. Com a regulamentação dos novos números, as distribuidoras já sabem de suas metas individuais e este é o momento oportuno para fortalecermos o programa”, ressalta.

A meta de 2021 ficou estabelecida em 24,8 milhões de CBios, redução de 41% em relação à proposta inicial. Nos próximos dias, a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) deve divulgar novo despacho atualizando as metas individuais das distribuidoras para 2020.