fbpx

Participantes do Ethanol Summit 2011 visitam usina Costa Pinto

14 de junho de 2011

A competitividade do etanol brasileiro feito a partir da cana-de-açúcar e o seu processo sustentável de produção têm despertado um crescente interesse de especialistas na questão energética em todo o mundo. Uma prova disto foi a visita, nesta quarta-feira (08/06), à usina Costa Pinto de um grupo de conferencistas que participaram do Ethanol Summit 2011, realizado entre os dias 06 e 07 de junho no hotel Grand Hyatt, em São Paulo (SP). A usina, do Grupo Raízen, localizada em Piracicaba (SP), é associada da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA).

O grupo foi recebido por Luciane Nizo, da equipe de comunicação externa da Raízen, com acompanhamento de Luana Maia, analista de relações institucionais da UNICA. “Mesmo após dois dias intensos de participação no Ethanol, Summit, eles demonstraram bastante motivação  para conhecer a colheita e os métodos de produção da cana praticados no Brasil,” disse a representante da UNICA.

Participaram da visita Bruce Babcock, professor da Universidade Estadual de Iowa (EUA); Chet Culver, ex-governador do estado de Iowa; Lennart Hallgren, gerente de projetos da Empresa de Transporte Público de Estocolmo; Michael McAdams, presidente da Associação dos Biocombustíveis Avançados dos Estados Unidos (EUA); Shi-Zhong Li, diretor executivo do Centro Sino-Americano para Pesquisas em Biocombustíveis; Borris Haupt, especialistas em Biotecnologia da Bayern Innovativ; Martina Otto, diretora de Políticas Energéticas para Transporte do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA); Milca di Martino Inocencio, coordenadora de Comunicação da Syngenta, além de funcionários da UNICA que atuam nos escritórios de São Paulo, Washington e Bruxelas.

Após assistirem a um vídeo institucional da Raízen, os convidados conheceram a área industrial da Costa Pinto, onde acompanharam a moagem da cana e as conseqüentes transformações da matéria-prima em açúcar e etanol.  O grupo também foi ao campo observar a colheita mecanizada e assistiu a um filme institucional que mostrou toda a parte de controle biológico e uso de terra na Costa Pinto.