fbpx

Projeto AGORA: Stock Car une velocidade e sustentabilidade no MS

23 de setembro de 2010

Com o uso do etanol, a 8ª etapa da Copa Caixa Stock Car 2010 conciliou emoção, potência e performance além de uma reduçào nas emissões de gás carbônico na atmosfera. Esta foi a mensagem que o Projeto AGORA levou ao público que acompanhou a etapa de Campo Grande (MS) da Stock Car, realizada domingo (19/09) no autódromo internacional Orlando Moura.

O presidente da Associação dos Produtores de Bioenergia do Mato Grosso do Sul (Biosul), Roberto Hollanda, destaca a importância do Projeto AGORA na principal categoria do automobilismo nacional, que teve como vencedor de sua 8ª etapa o piloto Nonô Figueiredo, da equipe Cosan Mobil Super Racing (Chevrolet). “Esta é uma ótima oportunidade de mostrar que velocidade e sustentabilidade andam juntas, já que o etanol, além de aumentar a potência do motor, também emite 90% menos gases causadores do efeito estufa se comparado com a gasolina,” observa.

A exemplo das outras etapas da Stock Car, uma equipe de promotoras do Projeto AGORA participou da corrida de Campo Grande, com a tarefa de divulgar os benefícios da produção e utilização do etanol para a matriz energética brasileira e particularmente a Stock Car. A categoria voltou a utilizar o etanol como combustível oficial em 2010, após 10 anos movida a gasolina.

O trabalho de divulgação durante as etapas da Stodck Car é uma das ações do Projeto AGORA em 2010, iniciativa de comunicação e marketing integrado da cadeia produtiva do setor sucroenergético. O Projeto reúne as empresas Itaú, Monsanto, Amyris, Basf, BP, Dedini, FMC e SEW Eurodrive, além das entidades representativas dos produtores de açúcar, etanol e bioeletricidade de oito estados brasileiros.

Além da Biosul, participam do Projeto AGORA a Associação dos Produtores de Bioenergia no Estado do Paraná (Alcopar); Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool de Minas Gerais (Siamig); Sindicato da Indústria de Fabricação de Álcool do Estado de Goiás (Sifaeg); Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras de Mato Grosso (Sindalcool/MT); Sindicato da Indústria de Fabricação de Álcool do Estado da Paraíba (Sindalcool /PB); Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool no Estado de Pernambuco (Sindaçúcar); Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul (Orplana); Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroalcooleiro (Ceise BR) e a UNICA.

Símbolo da expansão canavieira

Para Hollanda, a realização da corrida no Mato Grosso do Sul, estado que deverá moer aproximadamente 40 milhões de toneladas de cana na safra atual (2010/2011), também simboliza a expansão do cultivo da cana na região Centro-Sul. “Dentro de mais alguns anos, vamos disputar o posto de segundo maior produtor nacional. Com isso, a cana passa a ter um importante papel no desenvolvimento do estado, e o AGORA ajuda a reforçar esta posição,” ressalta o executivo.

Além da Stock Car, o etanol também é usado como combustível oficial em uma das principais categorias do automobilismo internacional, a Fórmula Indy, que adotou o biocombustível em 2007 e passou a competir com o etanol brasileiro de cana-de-açúcar a partir de 2009, quando a UNICA passou a ser a fornecedora oficial do combustível da Indy para toda a temporada.

O etanol também vem ocupando cada vez mais espaço nas competições de rally. Na edição deste ano do Rally Dakar, considerado a maior competição off-road do mundo, o piloto brasileiro Klever Kolberg inaugurou uma categoria exclusiva para carros motivos a etanol, tornando-se o primeiro piloto a participar do renomado rally utilizando exclusivamente o combustível renovável brasileiro. Mais recentemente, o Rally Internacional dos Sertões, maior prova do gênero disputada no Brasil, também estreou uma categoria que utiliza exclusivamente o etanol. Na 18a edição do Rally dos Sertões, veículos movidos a etanol ocuparam o 1º, 2º e 4º lugares na categoria “Carros”.