fbpx

Projeto Dow-Mitsui dedicado a bioplásticos revela nova frente

22 de julho de 2011

Se não é ainda uma tendência, pode-se dizer que é um excelente começo a joint-venture da multinacional americana Dow Chemical com a japonesa Mitsui, para a construção de uma unidade de fabricação de bioplásticos, ou biopolímeros, a partir da cana-de-açúcar.

Em um negócio cujos valores não foram revelados, cada empresa terá 50% de participação na unidade em Santa Vitória, Minas Gerais, onde serão fabricados biopolímeros para a produção de embalagens flexíveis, produtos médicos e de higiene pessoal.

“O que assistimos é uma importante diversificação de produtos,  a utilização da cana e do etanol em uma unidade dedicada, que fabricará polietileno verde, de combustível renovável, em vez do nafta que é de origem fóssil. Como os volumes certamente não serão pequenos, o desenho é de um negócio que acende a possibilidade para que outros grupos passem a focar não só em etanol e açúcar, mas em produtos com maior valor agregado como neste caso,” afirma Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA).

Nicho de mercado

De acordo com informações divulgadas  em 19/07, o projeto atende ao objetivo da Dow de desenvolver soluções de baixo carbono afinadas com os desafios globais de energia e de mudanças climáticas. “Esta operação histórica reforça o compromisso da Dow de investir no crescimento em setores de grande inovação e de alto valor por meio de parcerias estratégicas,” afirmou Andrew N. Liveris, presidente e CEO da Dow. “O acordo também reúne os pontos fortes de duas empresas globais, criando uma combinação única de liderança tecnológica mundial e acesso a matérias-primas renováveis para atender às necessidades de uma região importante e em rápido crescimento do mundo,” complementou.

“Os bioplásticos são ainda um território desconhecido, e acreditamos que este nicho pode expandir-se mais rápido do que as nossas expectativas,” declarou à Imprensa um funcionário da Mitsui, que pediu para não ser identificado.

Persistência

O diretor da UNICA lembra que a persistência da Dow com esse projeto é antiga. “Desde 2006 já existiam planos de se montar uma planta dedicada, à época com outro parceiro. Agora o esforço saiu do papel com a Mitsui, uma empresa que tem condições e fôlego para dar longevidade e consistência ao que foi proposto,” explica Rodrigues.

A primeira fase do projeto inclui a construção de uma nova unidade de produção de cana-de-açúcar para etanol em Santa Vitória (MS). A construção está prevista para começar no terceiro trimestre de 2011.