fbpx

Safra 2021/2022 começa com ritmo de moagem mais lento

27 de abril de 2021
safra 21-22 começa com ritmo mais lento

A primeira quinzena da safra 2021/2022 foi marcada pelo ritmo mais lento da produção em relação ao ciclo anterior. Ao todo, foram processadas 15,63 milhões de toneladas frente 22,5 milhões da safra 2020/2021 (-30,57%).

A produção de açúcar e etanol, em linha com a diminuição de moagem, totalizou 624,1 mil toneladas (-35,75%) e 730,5 milhões de litros (-25,92%), respectivamente.

A queda se deve ao menor número de unidades produtoras em operação neste início de safra. Nos primeiros quinze dias de abril, 147 unidades estavam operando, sendo 141 processadoras de cana-de-açúcar, 5 exclusivas de etanol de milho e 1 usina flex. Na mesma data da safra 2020/2021, 180 unidades estavam em operação. Para a 2ª quinzena de abril, outras 60 unidades devem iniciar a moagem no Centro-Sul.

Além da redução na moagem, o início da safra 2021/2022 registrou uma piora na qualidade da matéria-prima. O nível de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) na primeira quinzena de abril atingiu 108,73 kg de ATR / tonelada de cana-de-açúcar, contra 112,81 kg por tonelada na safra 2020/2021 (-3,62%).

“O clima mais seco tem favorecido a colheita, mas o menor número de unidades produtoras em operação impediu uma moagem no ritmo observado no início da safra passada. O longo período de chuvas abaixo da média histórica tem prejudicado o desenvolvimento na lavoura e criou estímulos para que as usinas adiassem o início da safra. Muitas empresas planejavam começar em março, mas observamos um atraso médio em torno de 10 dias nessa programação” comenta Antonio Padua Rodrigues, diretor técnico da Unica.

A despeito da menor produção do etanol de cana-de-açúcar, a produção do biocombustível a partir do milho se destacou na primeira quinzena de abril, com 111,43 milhões de litros produzidos ante 86,30 milhões de litros no mesmo período do ciclo 2020/2021, avanço de 29,12%.

Vendas de etanol

Na primeira quinzena da safra 2021/2022, as unidades produtoras do Centro-Sul comercializaram 960,75 milhões de litros de etanol, registrando avanço de 19,53% em relação ao mesmo período da safra 2020/2021.

O aumento ocorreu pelo crescimento da venda para o mercado doméstico, que totalizou 943,48 milhões de litros – alta de 23,11%. As exportações, por outro lado, retraíram em 53,75%, alcançando apenas 17,53 milhões de litros.

No mercado interno, o volume de etanol hidratado comercializado foi de 650,50 milhões de litros, ante 567,28 milhões do ciclo anterior, avanço de 14,67%. No caso do etanol anidro, a alta registrada foi de 47,15%, com 293,00 milhões de litros vendidos.

A comercialização de etanol destinado a outras finalidades retraiu 32,94% na primeira quinzena de abril, totalizando 36,54 milhões de litros e interrompendo momentaneamente a trajetória de crescimento observada desde o início da pandemia.

“O aumento das vendas no mercado doméstico decorre da competitividade do biocombustível e do maior consumo na comparação com 2020. Todavia, ao fazermos um paralelo das vendas atuais com as ocorridas na safra 2019/2020, quando não havia o efeito da COVID-19, observamos retração de 3,28% para o etanol anidro e de 25,46% para o etanol hidratado no mercado interno”, explicou Rodrigues.