fbpx

Safra melhor e incertezas sobre renda do setor marcam evento em PR

12 de abril de 2013

Um misto de otimismo quanto à melhora da nova safra e dúvidas sobre a rentabilidade gerada por ela aos produtores devem ser os aspectos que merecem atenção por parte dos produtores durante a safra 2013/2014. Este foi o recado que a presidente-executiva da União da Indústria de Cana-de- Açúcar (UNICA), Elizabeth Farina, levou na sexta-feira (05/04) para o município de São Pedro do Ivaí (PR), palco da abertura da colheita da região Centro-Sul, que é a maior produtora de cana-de-açúcar, açúcar e etanol do Brasil.

“Todas as estimativas indicam um aumento na produção de cana, o que é muito bom. Por outro lado, o setor vive um cenário de incertezas que sinalizam uma redução dos preços internacionais de açúcar, causados pelo aumento dos estoques mundiais,” explicou. Segundo Farina, estas dúvidas vêm se somar às incertezas da indústria sucroenergética quanto às medidas públicas desenhadas pelo governo para o etanol.

“É fundamental que as políticas que estão sendo esquematizadas pelo Governo sejam rapidamente divulgadas e implantadas de forma a permitir o planejamento adequado do setor desde o início da safra,” definiu. “Já há algum tempo estamos explicando a difícil situação do setor aos diversos órgãos do Governo e esperamos ações que possam reverter essas incertezas,” afirmou.

Além de participar da solenidade de abertura da safra, a presidente da UNICA, acompanhada do diretor Técnico da entidade, Antonio de Padua Rodrigues participou de encontro com 74 prefeitos de cidades que tem a cultura da cana como fonte econômica. Em uma conversa informal, os executivos destacaram as vantagens econômicas e ambientais dos produtos extraídos dos canaviais e a importância estratégica da parceria do governo e do setor.

O evento, realizado nas dependências da Renuka Vale do Ivaí, contou com a presença de líderes e empresários do setor, de representantes do governo federal, estadual e de municípios canavieiros.

Logística paranaense

O encontro também formalizou a implementação do programa “Caminhos Alternativos do Agronegócio Paranaense.” Desenvolvido em parceira com o governo estadual e a Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar), entidade parceira do Projeto AGORA, o projeto tem por objetivo melhorar as condições das estradas das vias alternativas, para que o transporte de cana seja retirado das rodovias.

“O Caminhos Alternativos tentará recuperar e conservar as estradas de terra e rodovias asfaltadas do Norte e Noroeste do Paraná. A ideia é facilitar o escoamento da safra de cana-de-açúcar 2013/2014,” destacou o presidente da Alcopar, Miguel Tranin.