fbpx

Sustentabilidade da indústria brasileira da cana-de-açúcar em pauta

11 de junho de 2015

No último dia 02/06, o pavilhão brasileiro na Expo Milão 2015, feira mundial que está sendo realizada na cidade italiana e reúne mais de 150 países entre os meses de maio e outubro, foi palco de um workshop que debateu os mecanismos, públicos e privados, que induzem à melhoria das práticas sustentáveis na produção da cana-de-açúcar, destacando o caso brasileiro.

Promovido pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), o seminário intitulado “Producing food and energy for a healthier planet: the case of the Brazilian Sugarcane Ethanol” reuniu mais de 40 participantes, entre eles representantes de outros países expositores da Expo, executivos, estudantes e autoridades.

As palestras do workshop ficaram a cargo de Sven Sielhorst, coordenador do Programa Internacional sobre Cana-de-Açúcar da Fundação Solidaridad, que apresentou diversos trabalhos com cana no Brasil e no mundo; Simon Usher, presidente do BONSUCRO, que falou sobre o modelo de certificação exclusivo para a cana-de-açúcar e suas questões ambientais;  e Luiz Carlos Mavignier de Araujo Job, representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), que abordou alguns aspectos da agricultura brasileira, ressaltando a realidade do setor sucroenergético.

O diretor Executivo da UNICA, Eduardo Leão de Sousa, também fez uma apresentação sobre a indústria da cana-de-açúcar no Brasil e suas características econômicas, sociais e ambientais.

“Observamos que o próprio tema da Expo-Milão, ‘Alimentando o mundo, energia para a vida’, trazia forte aderência com a própria missão do setor, que é de produzir alimento – açúcar – e fontes limpas e renováveis de energia – o etanol e a bioeletricidade. Por meio deste evento, procuramos levar à feira a mensagem das práticas sustentáveis do setor sucroenergético no Brasil, seja por meio de políticas públicas, como o zoneamento agroecológico, de parcerias público-privadas, como é o caso do protocolo verde em São Paulo, e de ações puramente privadas, como no caso dos sistemas de certificação”, concluiu o executivo da UNICA.

A assessora para Assuntos Internacionais da Presidência da entidade, Géraldine Kutas, foi a mediadora do workshop, que teve como palestrante principal José Goldemberg. O professor e ex-ministro de Ciência e Tecnologia abordou em sua palestra a importância do etanol brasileiro como fonte de energia renovável e seu papel central no combate às mudanças climáticas.

Ao final do seminário foi servido um coquetel típico brasileiro, com a participação do Chef Diego Lozano, que apresentou doces e a identidade gastronômica do Brasil, além de uma exposição de fotos digitais sobre o panorama da história do açúcar no país, que teve a curadoria de Raul Lody, antropólogo e autor do livro “Caminhos do açúcar”.