No último dia da missão presidencial à Índia, nesta segunda-feira (27), o presidente Jair Bolsonaro participou do Fórum Empresarial Índia-Brasil, promovido pela Apex-Brasil. O encontro, que contou com a presença de empresários indianos e brasileiros, discutiu oportunidades de negócios em diferentes áreas, entre elas os biocombustíveis. O seminário teve cerca de 450 participantes.

O diretor executivo da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Eduardo Leão, participou do fórum e mostrou, com base na experiência brasileira, como construir uma matriz energética limpa. “A redução da poluição nas grandes cidades associada à utilização do etanol foi o principal ponto apresentado pela diretoria da UNICA em Nova Déli, pois a Índia tem níveis de poluição extremamente elevados”.

Durante sua apresentação, Leão focou na participação do etanol para a melhoria do ar de grandes cidades e redução das emissões de gases de efeito estufa. O diretor executivo da UNICA também falou sobre as mudanças que acontecerão quando a Índia alcançar, com ajuda do Brasil, 10% de mistura de etanol à gasolina, em 2022.

“A migração do destino da cana de açúcar para etanol, na Índia, exige adaptações e investimentos. É aí que o setor produtivo brasileiro entra compartilhando os aprendizados desses mais de 40 anos de história do etanol no país. Popularizar o biocombustível em um grande mercado como a Índia contribui para a consolidação dessa fonte de energia renovável em escala global”, concluiu.

Etanol é destaque na missão

O etanol foi destaque na missão presidencial ao país asiático. No sábado, 25, Bolsonaro assinou 15 acordos de cooperação e memorandos de entendimento em várias áreas incluindo energia, agricultura e biocombustíveis. Os acordos bilaterais fazem parte do plano que os dois países têm de estreitar relações estratégicas.

Um dos acordos, na área de bioenergia, prevê a colaboração entre as duas nações para a produção de biocombustíveis, como o etanol. “É um grande interesse nosso que eles usem mais etanol no combustível deles, que daí, entre a lei da oferta e procura, eles produzem menos açúcar e ajuda a equilibrar o mercado”, disse.

No domingo, 26, o presidente brasileiro foi o convidado de honra do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, para as celebrações do Dia da República. Um convite honorário feito pela Índia à algum presidente mostra um interesse por uma parceria internacional e simboliza que os dois países compartilham valores.