fbpx

UNICA apresenta primeiro relatório de sustentabilidade GRI do agronegócio mundial

16 de dezembro de 2008


A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) é a primeira associação de agronegócio no mundo e primeira entidade associativa brasileira a realizar um Relatório de Sustentabilidade com base nos parâmetros da Global Reporting Initiative (GRI), entidade reconhecida mundialmente como detentora dos parâmetros mais completos e respeitados para esse tipo de relatório. A apresentação do Relatório de Sustentabilidade do setor sucroenergético brasileiro aconteceu em entrevista coletiva nesta terça-feira (16/12/08), na sede da UNICA em São Paulo.



Coordenado pela consultora de responsabilidade social e corporativa da UNICA, Maria Luiza Barbosa, o relatório atende às exigências de nível “B” GRI versão G3 checked e obteve o segundo melhor nível de classificação da GRI já em sua primeira edição. A representante oficial do GRI no Brasil, Glaucia Terreo, que participou do lançamento do relatório, afirmou que a publicação é uma ferramenta de gestão na qual todo o setor e cada empresa por si terão condições de administrar com maior eficiência suas conquistas e também desafios em sustentabilidade.



Terreo: "O relatório GRI é ferramenta de gestão" Para o presidente da UNICA, Marcos Sawaya Jank, o Relatório de Sustentabilidade 2008 é certamente um dos trabalhos mais importantes realizados no ano, porque mostra a transparência com que as usinas tratam dos desafios inerentes ao setor sucroenergético. “A empresa que não realiza um documento como este fica para trás. O relatório hoje em dia é uma questão de sobrevivência para gerenciar riscos e oportunidades”, afirmou.



A publicação apresenta mais de 600 projetos que foram conduzidos pelas usinas associadas à UNICA em 2008, nos quais foram investidos R$ 160 milhões nas esferas social, ambiental e econômica das usinas, atingindo quase 500 mil pessoas. Dentre as iniciativas encontram-se objetivos diversos como melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores, racionalização do uso da terra e da água, mitigação dos efeitos da mecanização da colheita e preservação de ecossistemas.



A GRI, organização internacional sediada na Holanda, foi criada em 1997 com o objetivo de conferir aos relatórios de sustentabilidade a consistência e a respeitabilidade dos relatórios financeiros. Atualmente, mais de duas mil empresas produzem seus relatórios com base na terceira geração do modelo GRI, sendo que 70 são brasileiras – 10 delas do setor sucroenergético.