fbpx

Universidade americana busca parceiros para desenvolvimento de novas biotecnologias

0
1 de abril de 2009

Estabelecer parcerias com entidades do setor sucroenergético brasileiro para o desenvolvimento de novas biotecnologias a serem aplicadas na produção e utilização de energias renováveis no Brasil e nos Estados Unidos (EUA). Com este objetivo, um grupo composto por cinco professores ligados a Universidade da Georgia (UGA) se reuniu, nesta quinta-feira (26/03/09), com a assessora para relações institucionais da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Carolina Costa e com William Burnquist, gerente de desenvolvimento estratégico do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC). A visita, intermediada pelo Departamento de Desenvolvimento Econômico do Estado da Georgia no Brasil, pretende estimular a cooperação acadêmica entre a universidade americana e instituições brasileiras, visando o aprimoramento das tecnologias empregadas na produção de biocombustíveis e biomassa.

 

O professor e especialista em biologia de plantas da UGA, Andrew Paterson, acredita que “a consolidação do setor sucroenergético brasileiro e a crescente demanda por energias renováveis nos EUA favorecem cada vez mais o surgimento de novas parcerias na área de pesquisa e desenvolvimento entre os dois países”.

 

Na sede da UNICA, os acadêmicos americanos demonstraram bastante interesse na utilização da biomassa da cana-de-açúcar para a geração da bioeletricidade como um exemplo bem sucedido das novas biotecnologias que vem sendo desenvolvidas pelos brasileiros. A produção de energia elétrica por meio da queima de subprodutos da cana-de-açúcar em caldeiras de alta pressão, além de garantir que as usinas sejam 100% auto-suficientes em eletricidade, também permite maior segurança energética ao País, pois as usinas podem fornecer seus excedentes para as redes nacionais de distribuição. Atualmente, a bioeletricidade ocupa 16 % da matriz energética do País, com potencial para geração de aproximadamente 15 mil Megawatts (MW) até 2015.

 

William Burnquist comenta a atuação do CTC no setor sucroenergético brasileiro
Os professores do Estado da Georgia também obtiveram mais informações sobre o CTC, instituição que desde 1969 realiza pesquisas para o aprimoramento genético da cana-de-açúcar, bem como o desenvolvimento de novas tecnologias usadas na produção dos produtos derivados da planta: etanol, açúcar e bioenergia. A missão do CTC é criar e repassar conhecimento tecnológico e científico as suas mais de 170 entidades associadas, que juntas ocupam uma área equivalente a 3,2 milhões de hectares.
UNICA e CTC já desenvolvem várias atividades em conjunto, como por exemplo, a coleta e análise da gasolina em postos de serviço, relatórios de sustentabilidade e o atendimento a visitas institucionais solicitadas pelo governo, comitivas de empresários e formadores de opinião.