fbpx

Usinas do CS processam 44,75 milhões de toneladas de cana

31 de maio de 2024
safra de cana

A moagem de cana-de-açúcar na primeira quinzena de maio registrou pequeno aumento de 0,43% na comparação com o mesmo período do ciclo passado: foram processadas 44,75 milhões de toneladas neste ano, contra 44,56 milhões em 2023. No acumulado desde o início da safra 24/25 até 15 de maio, a moagem atingiu 95,42 milhões, ante 79,85 milhões de toneladas contabilizadas no mesmo período da safra 2023/2024 – avanço de 19,49%.

Na primeira quinzena de maio, 27 unidades produtoras de cana-de-açúcar reiniciaram as atividades, totalizando 246 unidades produtoras operando na região Centro-Sul. Desse total, 229 unidades com processamento de cana-de-açúcar, 9 empresas que fabricam etanol a partir do milho e 8 usinas flex. No mesmo período, na safra 2023/2024, operaram 244 unidades produtoras, sendo 228 unidades com processamento de cana-de-açúcar, 8 empresas produzindo etanol a partir do milho e 8 usinas flex.

O diretor de Inteligência Setorial da UNICA, Luciano Rodrigues, projeta que “ao final da segunda quinzena de maio, cerca de 250 empresas estarão em operação no Centro-Sul”. Outras 16 devem iniciar a safra em junho, praticamente completando o ciclo de usinas entrando em operação na safra 2024/2025, acrescenta o executivo.

A qualidade da matéria-prima colhida nos primeiros quinze dias de maio, mensurada em kg de ATR por tonelada de cana-de-açúcar processada, cresceu apenas 0,30% na comparação com o mesmo período do ciclo agrícola anterior, registrando 124,71 kg de ATR por tonelada colhida. No acumulado da safra 2024/2025, ainda se observa um ligeiro aumento de 0,13%, com o indicador atingindo 118,47 kg de ATR por tonelada.

Produção de açúcar e etanol

Na primeira metade de maio, 48,27% da cana-de-açúcar foi destinado à produção de açúcar, ante 48,16% registrados no mesmo período da safra 2024/2025.

Como reflexo, a produção de açúcar nos primeiros quinze dias de maio totalizou 2,57 milhões de toneladas, praticamente o mesmo valor observado em igual quinzena na safra 2023/2024 (2,54 milhões de toneladas). No acumulado desde o início da safra até 15 de maio de 2024, a fabricação do adoçante totalizou 5,13 milhões de toneladas, contra 4,08 milhões de toneladas do ciclo anterior.

Rodrigues esclarece que “do crescimento total de 1,05 milhão de toneladas na fabricação de açúcar até o momento, apenas 255 mil toneladas ocorreram em função da mudança no mix de produção e a maior parte, cerca de 800 mil toneladas, foi resultado do avanço na quantidade de cana-de-açúcar processada neste início de safra”.

Na primeira metade de maio, 1,99 bilhão de litros (+2,14%) de etanol foram fabricados pelas unidades do Centro-Sul. Do volume total produzido, o etanol hidratado alcançou 1,25 bilhão de litros (+12,40%), enquanto a produção de etanol anidro totalizou 743,02 milhões de litros (-11,47%).

No acumulado desde o início do atual ciclo agrícola até 15 de maio, a fabricação do biocombustível totalizou 4,35 bilhões de litros (+16,54%), sendo 3,04 bilhões de etanol hidratado (+34,66%) e 1,31 bilhão de anidro (-11,18%).

Da produção total de etanol registrada na primeira quinzena de maio, cerca de 15% foram provenientes do milho, cuja produção alcançou 298,56 milhões de litros neste ano, contra 269,55 milhões de litros no mesmo período do ciclo 23/24 – aumento de 10,76%. No acumulado da safra, a produção de etanol de milho atingiu 868,05 milhões de litros – avanço de 22,83% na comparação com igual período do ano passado.

Vendas de etanol

A primeira quinzena do mês de maio foi marcada pela manutenção das vendas aquecidas de etanol nas usinas. O volume comercializado pelas empresas do Centro-Sul totalizou 1,38 bilhão de litros, o que representa aumento de 22,37% em relação ao mesmo período da safra 23/24. O volume comercializado de etanol anidro no período foi de 468,86 milhões de litros – retração de 10,73% – enquanto o etanol hidratado registrou venda de 909,89 milhões de litros – crescimento de 51,26%.

No mercado doméstico, as vendas de etanol hidratado alcançaram 899,12 milhões de litros – variação positiva de 53,17% em relação ao ano passado. A comercialização de etanol anidro, por sua vez, foi de 468,86 milhões de litros – queda 7,09%.

No acumulado desde o início da safra 2024/2025 até 15 de maio, a comercialização de etanol somou 4,12 bilhões de litros, representando um aumento de 34,61%. Desse total, o etanol hidratado representou volume de 2,76 bilhões de litros (+60,11%), enquanto o anidro de 1,36 bilhões (+1,81%).