fbpx

Vendas de etanol pelas unidades produtoras do Centro-Sul crescem

24 de outubro de 2012

Nos primeiros quinze dias de outubro, as vendas de etanol pelas unidades produtoras do Centro-Sul somaram 1,01 bilhão de litros, alta de 17,92% em relação ao mesmo período da safra passada, quando foram comercializados 857,45 milhões de litros. Do total vendido na quinzena, 175,19 milhões de litros foram direcionados ao mercado externo e 835,92 milhões de litros ao mercado doméstico.

No mercado doméstico, as vendas de etanol anidro atingiram 314,26 milhões de litros nos primeiros quinze dias de outubro, alta de 7,76% em relação ao volume observado na quinzena anterior e de 13,85% comparativamente a mesma quinzena de 2011.

As vendas de hidratado, internamente, por sua vez, alcançaram 521,67 milhões de litros na primeira quinzena de outubro, montante 10,91% superior aos 470,33 milhões de litros vendidos  na quinzena anterior e 15,71% acima dos 450,84 milhões de litros observados na mesma quinzena de 2011.

Segundo o presidente interino da UNICA, Antonio de Padua Rodrigues, “embora tenhamos observado um aumento das vendas de hidratado no mercado doméstico, ainda estamos com um consumo muito aquém do potencial, que, só em São Paulo, é superior a 1 bilhão de litros”. Atualmente o preço do etanol já é economicamente vantajoso em várias regiões do País, mas boa parte dos consumidores ainda não percebeu essa mudança, acrescentou Rodrigues.

Apesar do crescimento na última quinzena, as vendas de etanol acumuladas desde abril até 15 de outubro ainda são inferiores ao volume observado no mesmo período de 2011: nessa safra foram comercializados 11,67 bilhões de litros, montante 2,52% abaixo do volume vendido em igual período da safra passada. Do total vendido nesta safra, 9,73 bilhões de litros foram destinados ao mercado doméstico e 1,94 bilhão à exportação. Do montante direcionado ao abastecimento doméstico, 3,65 bilhões de litros referem-se ao etanol anidro e 6,08 bilhões de litros ao hidratado.

Moagem de cana-de-açúcar

O volume de cana-de-açúcar processado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul do Brasil somou 38,00 milhões de toneladas na primeira quinzena de outubro, alta de 62,11% comparativamente ao mesmo período da safra 2011/2012 e crescimento de 19,60% em relação à última quinzena de setembro.

Segundo Rodrigues, “esse crescimento observado na quinzena deve ser relativizado, pois as quinzenas que servem de base para comparação foram severamente impactadas pelas chuvas observadas naquele período”. Nesse ano, as chuvas devem ocorrer com maior intensidade a partir da segunda quinzena de outubro, portanto, precisamos acompanhar a evolução da safra mais de perto a partir de agora, concluiu o executivo.

No acumulado desde o início da safra até 15 de outubro, a moagem totalizou 419,35 milhões de toneladas, retração de 4,04% em relação ao total observado no mesmo período do ano passado.

Apesar do melhor aproveitamento de moagem na última quinzena, ainda observa-se uma defasagem significativa do processamento de cana no Estado de São Paulo se compararmos os volumes desta safra com a passada.

Em relação ao encerramento de safra, até 15 de outubro, apenas 13 unidades produtoras haviam terminado a moagem da safra 2012/2013 – essas empresas representaram apenas 1,57% do total processado na safra passada. Esse número de empresas que já encerraram a safra é significativamente inferior as 51 unidades registradas na mesma data de 2011.

A produtividade agrícola da área colhida na região Centro-Sul, levantada pelo Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), aponta crescimento de 22,04% na primeira quinzena de outubro relativamente a igual quinzena de 2011, totalizando 75,1 toneladas de cana-de-açúcar por hectare. No acumulado desde o início desta safra, esta produtividade atingiu 74,0 toneladas por hectare, superior aos 64,4 toneladas por hectare registradas no mesmo período da safra 2011/2012, confirmando o processo de recuperação das perdas agrícolas obtidas no inicio da safra.

Qualidade da matéria-prima

A quantidade de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de cana-de-açúcar atingiu 149,71 kg na primeira quinzena de outubro, queda de 6,52% em relação aos 160,15 kg observados na mesma quinzena da safra 2011/2012.

No acumulado de abril até 15 de outubro, a concentração de ATR alcançou 135,15 kg por tonelada de matéria-prima, retração de 1,84% comparando-se ao mesmo período do último ano.

Mix e produção de açúcar e etanol

Do volume total de cana-de-açúcar processado na primeira quinzena de outubro, 51,49% foi direcionado para a produção de açúcar. Esse percentual é superior aos 48,56% observados na última quinzena do mês de setembro, que apresentou retração expressiva em razão das paradas e da piora na qualidade da matéria-prima.

A produção de açúcar na primeira quinzena de outubro totalizou 2,79 milhões de toneladas, alta de 56,68% em relação aos 1,78 milhão de toneladas verificado no mesmo período da safra passada. Desde o inicio da safra até 15 de outubro, a produção alcançou 26,79 milhões de toneladas, com queda de 3,74% em relação ao volume observado no mesmo período de 2011.

A produção de etanol, por sua vez, alcançou 1,61 bilhão de litros nos primeiros quinze dias do mês de outubro, sendo 749,14 milhões de litros de etanol anidro e 864,65 milhões de litros de etanol hidratado. No acumulado desde o inicio da safra até a presente quinzena, a produção de etanol atingiu 16,74 bilhões de litros, sendo 10,00 bilhões de litros de hidratado e 6,74 bilhões de litros de etanol anidro.

Para acessar o relatório, clique aqui.

SOBRE OS DADOS DA SAFRA

Os dados divulgados nesta atualização de safra são compilados e analisados pela UNICA, com números fornecidos pelos seguintes sindicatos e associações de produtores da Região Centro-Sul:

ALCOPAR – Associação dos Produtores de Bioenergia no Estado do Paraná
BIOSUL – Associação dos Produtores de Bioenergia do Mato Grosso do Sul
SIAMIG – Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais
SIFAEG – Sindicato da Indústria de Fabricação de Etanol do Estado de Goiás
SINDAAF – Sindicato Fluminense dos Produtores de Açúcar e Etanol
SINDALCOOL – Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras de Mato Grosso
SUDES – Sociedade das Usinas e Destilarias do Espírito Santo